Share

cover art for Código do Caos #10: Assalto ao Museu do Computador, com Breno Valli

Código do Caos

Código do Caos #10: Assalto ao Museu do Computador, com Breno Valli

Ep. 10

APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaos

CONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4By


No dia 9 de dezembro de 2023 o jornal Folha de São Paulo publicou uma reportagem que eu produzi no decorrer de novembro, a partir de uma entrevista que eu fiz com o desenvolvedor e atual curador do Museu do Computador, Breno Valli. A história que ele me contou mexeu muito comigo, não só porque ela, de uma forma ou outra, se conecta aos temas que eu tenho investigado desde 2020, com meu podcast Primeiro Contato, mas pela trajetória de 25 anos de dificuldades que pai e filho trilharam movidos por uma vontade de preservar a nossa história com a tecnologia. Nessa entrevista, que durou mais de 2h, o Breno me conta toda a história do Museu do Computador e como, durante o período da pandemia, eles perderam quase todo seu acervo por falta de apoio.


Este episódio é uma versão editada desta entrevista, que complementa a reportagem publicada na Folha de São Paulo.


Para apoiar o Museu do Computador com doações ou dinheiro, acesse:

museudocomputador.org.br/


Siga o Código do Caos nas redes sociais:

Twitter

Instagram

Tiktok

YouTube


Siga Henrique Sampaio nas redes sociais:

Twitter

Instagram

More episodes

View all episodes

  • 23. Código do Caos #25: A (não) regulação de IA no Brasil; com Rafael Zanatta

    53:45
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByNas últimas semanas tem rolado no Senado debates sobre o Projeto de Lei 2338, que regulamenta o uso da Inteligência Artificial no Brasil. De autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, do PSD, o PL tem sido um verdadeiro cabo de guerra entre aqueles que defendem o uso ético da tecnologia perante a sociedade civil, incluindo trabalhadores, e os que defendem a inovação da tecnologia a qualquer custo, incluindo as plataformas digitais, como Google e Meta, que vem fazendo uma grande pressão para atrasar a votação e modificar as partes do texto que não as beneficiam.A proposta, criada antes mesmo da popularização das IAs generativas, como o ChatGPT, estabelece diretrizes para a criação e uso responsável de sistemas de IA no Brasil, independentemente da localização da sede da empresa. Além disso, também inclui uma proibição de tecnologias de alto risco, que exponham crianças e adolescentes ou promovam o uso de IA em armas autônomas.O texto prevê a criação do SIA, Sistema Nacional de Regulação e Governança de Inteligência Artificial, um orgão que será responsável por unificar autoridades e reguladores para implementar e fiscalizar o cumprimento da lei. Por trás desse órgão, estará a ANPD, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que recentemente impediu a Meta de utilizar dados de brasileiros que postam em suas redes sociais, como Instagram e Facebook, para treinar sua inteligência artificial.O PL, que vem sendo adiado por pressão das plataformas, está em estágio avançado de tramitação e pode ser aprovado mais cedo ou mais tarde. Para explicar a importância desse projeto de lei e trazer um pouco dos bastidores de sua tramitação, eu converso neste episódio com Rafael Zanatta. O Rafael é diretor da Associação Data Privacy Brasil de Pesquisa, mestre pela Faculdade de Direito da USP e doutor pelo Instituto de Energia e Ambiente da USP, com formação no Curso de Políticas e Direito da Privacidade da Universidade de Amsterdam.Siga Rafael Zanatta:TwitterSiga Data Privacy nas redes:TwitterInstagramSiga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 24. Código do Caos #24: 10 anos do Gamergate; com Beatriz Blanco

    47:59
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByDescrito por estudiosos como uma campanha de assédio online e uma reação da extrema direita contra o feminismo, a diversidade e o progressismo na cultura de videogames, o Gamergate surgiu inicialmente como um ataque coletivo à desenvolvedora de jogos Zoe Queen, e rapidamente se espalhou por toda a indústria de games, atingindo mulheres e minorias, incluindo desenvolvedoras, pesquisadoras e jornalistas. O movimento descentralizado clamava por um jornalismo de games ético e neutro como forma de proteger a identidade e cultura gamer do chamado politicamente correto, hoje também descrito como cultura woke. Naquele momento, o jornalismo e a indústria de games vinham acompanhando as transformações da própria sociedade e buscando pensar em inclusão e representatividade -- isso, em uma indústria e cultura que então eram reconhecidas como predominantemente masculina, pra não dizer machista e tóxica a mulheres e minorias. A campanha de ódio, organizada de forma orgânica em sites como o 4chan e Reddit, em uma época em que redes sociais ainda eram bem diferente das de hoje, desencadeou fortes reações, furando a bolha dos videogames e atingindo a grande mídia e a política. Tanto é que, a partir daí, a extrema direita, notando as táticas de assédio e intimidação online dos gamers conservadores, passaram a cooptar esse grupo e replicar suas estratégias. A atuação de Steve Bannon nesse movimento, que depois se tornaria estrategista-chefe de Donald Trump e conselheiro de Jair Bolsonaro, acabou consolidando esse como o modus operandi da extrema direita.Mas passada essa década, o que mudou? Qual foi o legado do Gamergate para a indústria de games e para o mundo, além desse evidente impacto na política e na cultura digital? E quão mais inclusiva e diversa se tornou a indústria de videogames desde que o Gamergate tentou conter o avanço progressista neste meio? Para responder essas e outras perguntas eu converso com a pesquisadora Beatriz Blanco. A Bia é professora coordenadora dos programas de graduação em multimídia e jogos digitais no Senac, em São Paulo e estuda a relação entre ativismo social e mobilizações online na cultura gamer.Siga Beatriz Blanco:TwitterSiga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 23. Código do Caos #23: Apostas para crianças no Kwai; com Pedro Nakamura

    01:02:53
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByNo primeiro episódio do Código do Caos eu abordei como o mercado de apostas e cassinos online estava se apropriando de um projeto de lei para conseguir se passar por videogame, como forma de fugir da lei que regulamenta apostas esportivas, driblar impostos e direcionar jogos de azar para crianças e adolescentes. Após um grande embate com a indústria de games brasileira, as empresas de aposta saíram perdendo, a despeito da grande campanha de lobby que fizeram. Isso não significa que essas empresas não tem encontrado outras brechas para empurrar jogos criminosos e plataformas fraudulentas para milhões de pessoas, incluindo crianças e adolescentes. A plataforma Kwai vem se tornando um grande ecossistema de jogos de cassino virtual, viciando usuários com recompensa de valores irrisórios em dinheiro enquanto constantemente incentiva a aposta em jogos de azar e plataformas golpistas. Isso para não falar da sexualização de menores e o baixo nível de conteúdo que circula pela própria plataforma. Para piorar, a empresa por traz da rede está tentando expandir seus negócios no Brasil e integrar o Kwai a sua própria plataformas e bets, o que poderia piorar a situação.Quem fez a denúncia foi o jornalista Pedro Nakamura no Núcleo Jornalismo, que fiscaliza big techs e redes sociais. Pedro é jornalista investigativo graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e com publicações no Intercept, Repórter Brasil, RBS e no Estadão.Reportagem do Pedro Nakamura:Kwai libera cassino e promove bets para menores de 18 anosSiga Pedro Nakamura:TwitterSiga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 22. Código do Caos #22: As mídias digitais nos deprimem? Com Liliane Bastos

    45:19
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByO uso intensivo de redes sociais e as mídias digitais como um todo tem sido associado à ansiedade, depressão e outros transtornos mentais a algum tempo. Em 2020, o próprio Instagram apresentou internamente estudos que mostravam que 32% das adolescentes que diziam se sentir mal com seus corpos achavam que a plataforma as fazia se sentir pior. Pesquisadores da empresa afirmaram que o Em 2019, o Instagram piorou os problemas de imagem corporal para uma em cada três meninas adolescentes, e que as garotas dessa faixa etária culpam a plataforma pelo aumento da taxa de ansiedade e depressão.Mas a gente sabe que não é só o Instagram. Redes sociais modernas em geral, ao contrário do que o nome sugere, tendem a ser antissociais, com seus algoritmos baseados mais em engajamento a qualquer custo do que conexão. Facebook e X, o antigo Twitter, tendem a ser movidos a fofoca, brigas, lacração, denúncias, discursos de ódio, fake news e exposeds criando um sentimento generalizado de que tudo está ruim ou todo mundo é mau. Embora alguns desses conteúdos, como notícias legítimas e verificadas, possam ser importantes, o algoritmo prioriza esses tipos de publicação que apela para nossas emoções mais extremas, com o objetivo de aumentar o nosso engajamento e nosso tempo nas plataformas. E para as empresas por trás dessas redes sociais, isso significa lucro.Em outras palavras, permitimos que as grandes empresas de tecnologia explorem nossas emoções para nos viciar em suas plataformas, para que elas extraiam de nós nossos dados, tempo e atenção. E tudo isso às custas da nossa saúde mental.Mas como as pesquisas científicas do campo da medicina entendem essa relação entre mídias digitais e saúde mental? Sabendo do poder das big techs em defenderem seus interesses, para quais direções devemos levar essa discussão?Neste episódio eu converso com Liliane Bastos, graduada em Medicina pela Universidade Federal da Bahia e médica residente em psiquiatria pela UNIFESP.Siga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 21. Código do Caos #21: Como Israel usa IA para matar, com Júlia Tibiriçá

    47:07
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByDesde outubro de 2023 a gente tem acompanhado uma nova etapa do conflito israel-palestino, após um ataque terrorista do Hamas contra cidadãos israelenses. Usando a ofensiva como pretexto para exterminar o povo palestino e invadir a Faixa de Gaza, Israel inaugurou um novo capítulo desse conflito que já dura quase 100 anos: o uso da tecnologia, da inteligência artificial e da lógica das big techs no massacre da população palestina. Vale ressaltar que, embora Israel constantemente argumente que está apenas se defendendo, aproximadamente 70% das mais de 30 mil pessoas mortas pelo país em Gaza são de mulheres e crianças – isso sem contar os mais de 70 mil feridos, de acordo com o ministério da saúde de Gaza.Jornalistas independentes de Israel, da revista +972, ouviram denúncias anônimas sobre o funcionamento dessas armas e publicaram reportagens detalhando as avançadas tecnologias de guerra usadas por Israel contra a população acuada e literalmente faminta de Gaza. O que a gente vê hoje, contudo, é resultado de décadas de investimento do país em um complexo militar industrial que produz tecnologia de combate, espionagem e vigilância para a guerra – dentre elas o Pegasus, que chegou a ser cogitado pelo clã Bolsonaro para monitorar o Palácio do PlanaltoPara entender mais que tecnologias são essas e o que elas representam para Israel, para o ocidente e para o mundo pós-Gaza, o episódio desta semana do Código do Caos traz uma conversa com Júlia Tibiriça. A Júlia é professora de relações internacionais na Universidade FMU, doutoranda de relações internacionais, mestra em ciência Política pela USP e pesquisadora na área de tecnopolítica e vigilância, privacidade, internet e redes sociais, autoritarismos e segurança internacional.Siga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 20. Código do Caos #20: A farsa do Twitter Files Brasil, com Estela Aranha

    55:22
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByDesde o começo de abril a gente tem acompanhado os capítulos de uma novela chamada Twitter Files Brasil e que parece longe de terminar. Nos últimos dias, uma reviravolta fez com que as decisões sigilosas do STF, que tratavam da remoção de conteúdo e de contas entre 2021 e 2024, fossem parar nas mãos de um Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados dos EUA, que, divulgou os documentos sob o pretexto de que o Brasil estaria vivendo uma onda de censura e que a liberdade de expressão do seu povo estaria ameaça. Interessantemente, o tal comitê é liderado por Jim Jordan, um deputado de extrema direita citado por uma investigação do Congresso dos EUA como um ‘ator significativo’ para a invasão do Capitólio em janeiro de 2021, aliado a Trump e próximo a Musk.Mas qual o real poder desse documento e desse grupo para a extrema direita brasileira e norte-americana? Hoje eu converso com a advogada Estela Aranha, ex-secretária de Direitos Digitais do Ministério da Justiça e membro do Órgão Consultivo de Alto Nível sobre Inteligência Artificial da ONU. A Estela se destacou nas últimas semanas por desmascarar, no próprio Twitter, o autor do Twitter Files, o jornalista Michael Shellenberger. Em um fio na rede social de Musk, a Estela mostrou que Shellenberger atribuiu ao STF uma ação do Ministério Público de São Paulo que não tinha nada a ver com os atos antidemocráticos, mas sim com um perfil ligado a uma liderança do PCC.Mas mesmo depois de Shellenberger assumir o erro e pedir desculpas, a narrativa já havia sido criada e passamos a ver os desdobramentos dessa história, a qual Estela vem diretamente se envolvendo.Siga Estela Aranha:TwitterSiga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramTiktokSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 19. Código do Caos #19: Regulação: como botar freios na tecnologia? Com Pietra Vaz

    01:03:12
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByDesde o dia 3 de abril a gente tem acompanhando o embate entre o Ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes, mais conhecido pelo apelido carinhoso Xandão com ninguém menos que Elon Musk, o bilionário queridinho por 9 a cada dez bolsonaristas. A novela mostra uma afonta de Musk à justiça brasileira, que trata o Brasil como um “shithole country”, para usar um termo que um dos seus coleguinhas estadunidenses. Mas, mais do que isso, mostra a importância de uma regulação de redes sociais que reforcem a nossa soberania brasileira e seja capaz de conter os desmandos, a soberba e a ganância da big techs.No episódio dessa semana do Código do Caos, gravado um dia antes do estouro da treta entre Musk e Xandão, eu converso com a advogada especialista em direito digital e mestra em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais Pietra Vaz. Autora do livro Irregulável Mundo Novo: A regulação de Big Techs na infosfera, baseado em sua dissertação de mestrado, Pietra aborda os desafios e a importância de uma regulação capaz de pôr as poderosas big techs na linha da soberania brasileira, não apenas obrigando-as a cumprir com a nossa legislação mas também a seguir diretrizes que protejam a nossa população e a nossa democracia dos impactos das plataformas digitais. E embora nossa conversa tenha acontecido antes da guerra entre o segundo homem mais rico do mundo e a justiça brasileira, ela não poderia estar mais conectada a tudo que vem acontecendo, o que mostra não apenas como Elon Musk é previsível mas também como a regulação das big techs, incluindo aí redes sociais e inteligências artificiais, é uma das pautas mais urgentes do nosso tempo.Siga Pietra Vaz:InstagramSiga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramTiktokSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 18. Código do Caos #18: Biohacking: estamos nos tornando ciborgues? Com Gil Vicente

    01:02:34
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByVivemos cercados de objetos que aprimoram nosso corpo e realidade ou contornam deficiências: óculos de graus, vestimentas, maquiagem ou próteses. Com os smartphones, smartwatches, inteligências artificiais e óculos e dispositivos de realidade mista ou aumentada, caminhamos para um mundo cada vez mais ciborgue. Antecipando esse futuro, estão os biohackers, indivíduos que usam dos dados, da tecnologia e da ciência para manipular e aprimorar o corpo, com o uso de substâncias ou até mesmo o implante de chips para diversos fins. Apesar dos benefícios que o movimento pode trazer para o campo da saúde, quando contaminado pela lógica capitalista e liberal, esse movimento pode ser comparado à cultura coach, da busca incessante pela inovação, lucro e produtividade. Num contexto de dataficação individual, da digitalização da saúde (como abordado no episódio anterior) e da desinformação, não estaria o biohacking nos aproximando das distopias clássicas da ficção científica?Neste episódio, o pesquisador de teorias ciborgue e cibernéticas Gil Vicente Nagai Lourenção, que realiza seu pós-doutorado pela PUC São Paulo, responde a essa e outras dúvidas sobre o caminho sem volta da fusão entre corpo e tecnologia. Siga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramTiktokSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram
  • 17. Código do Caos #17: Dados do SUS nas garras das big techs. Com Sérgio Amadeu, Joyce Souza e Fábio Maldonado

    01:09:57
    APOIE O CÓDIGO DO CAOS: apoia.se/codigodocaosCONTRIBUIÇÃO VIA PIX: https://nubank.com.br/pagar/185xn/SSdML7T4ByO Sistema Único de Saúde, o SUS, é uma das grandes conquistas do Estado brasileiro e uma referência de saúde pública universal em todo o mundo. Contudo, conforme o Brasil foi se alinhando às políticas neoliberais a partir dos anos 1990, com as privatizações e a contratação de tecnologias estrangeiras em detrimento do desenvolvimento de soluções nacionais, o país passou a trilhar um caminho perigoso na área da saúde.Em um artigo intitulado “Saúde digital e o aprofundamento da dependência tecnológica”, os pesquisadores Joyce Souza e Fabio Maldonado contam que os dados do sistema de saúde brasileiro (ou seja, de toda a população e dos trabalhadores da área de saúde) estão sendo entregues a empresas como a Amazon, que os hospedam em servidores localizados fora do Brasil. Como se isso já não fosse problemático o suficiente de um ponto de vista da soberania, dados são hoje o novo petróleo e hoje alimentam Inteligências artificiais e a criação de novos produtos digitais, que podem eventualmente ser oferecidos para o próprio Estado brasileiro pelas empresas de tecnologia estrangeiras, aprofundando um ciclo de dependência e subalternidade do Brasil diante dos países imperialistas.No episódio de hoje, o Código do Caos se junto ao podcast Tecnopolítica para discutir o artigo da Joyce e do Fábio. E aqui vale uma apresentação. O Tecnopolítica é um podcast publicado desde 2018 e apresentado por ninguém mais ninguém menos que o Sérgio Amadeu, um sociólogo conhecido internacionalmente por sua luta pelo software livre e pela inclusão digital no Brasil. O Sérgio é professor da da Universidade Federal do ABC e coordena o programa de pós-graduação em ciências humanas e sociais da instituição.Reportagem: O brasileiro que desafiou a Microsoft e virou ícone internacional de ativistasNesse collab do Código do Caos com o Tecnopolítica, eu e Sérgio entrevistamos Joyce Souza e Fábio Maldonado. A Joyce é jornalista e doutora em ciências sociais pela UFABC e pesquisadora do laboratório de tecnologias livres da mesma universidade. O Fábio é mestre pelo Prolam e pesquisador de dependência na América Latina.Siga o Código do Caos nas redes sociais:TwitterInstagramTiktokSiga Henrique Sampaio nas redes sociais:TwitterInstagram