Filosofia Vermelha

Share

Deus está morto

Season 2, Ep. 2

O que Nietzsche queria dizer com esta forte e polêmica imagem da morte de Deus? É óbvio que ele não dizia que o homem literalmente matou Deus, um ser metafísico - e menos ainda a facadas, como sugere o texto. O significado da afirmação da morte de Deus tem um alcance bem mais amplo do que o de exprimir uma forma de ateísmo comum.


Nosso curso de introdução à filosofia, com certificado de conclusão ao final: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38


Não foi exatamente Nietzsche quem disse que "Deus está morto". Essa frase foi proferida por um louco, um personagem de sua obra "A gaia ciência", da mesma forma que não foi Shakespeare quem disse "ser ou não ser, eis a questão", mas Hamlet, um de seus personagens.


Nietzsche se referia na verdade ao que Deus representava para a cultura europeia, à crença cultural compartilhada em Deus que no passado havia sido a característica que unia e definia a Europa. Nietzsche estava falando da Europa sem Deus. A ideia é que a noção cristã de Deus estava morta, não podia mais ser racionalmente aceita. Ele falava da decadência da metafísica no pensamento ocidental.

More Episodes

4/12/2021

A indústria cultural em Adorno e Horkheimer

Season 2, Ep. 1
O conceito de indústria cultural serviu para designar, inicialmente, o complexo industrial e comercial de produção e distribuição de bens culturais na Europa e nos EUA desde a as primeiras décadas do século XX. Por este conceito não se deve compreender os dispositivos eletrônicos em si, tais como rádio ou televisão, mas sua apropriação pelo capitalismo monopolista e seu emprego através de uma lógica de produção de bens culturais.Nosso curso de introdução à filosofia, com certificado de conclusão ao final: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38O objetivo inicial da indústria cultural era, além de lucrar com uma ótima oportunidade de negócios, também estabelecer padrões de comportamento em massa, já que a organização dos trabalhadores, forte naquela época, representava um perigo real ao capitalismo.Este sistema buscava não apenas influenciar a demanda por determinadas mercadorias, mas também tornar minimamente previsíveis o comportamento social e político das massas.O principal texto em que a indústria cultural é discutida por Adorno e Horkheimer é um artigo que se encontra na obra Dialética do esclarecimento, intitulado Indústria cultural: esclarecimento como mistificação das massas.Algumas das características da indústria cultural que abordamos neste vídeo são 1) a expropriação do esquematismo, 2) a classificação de cada indivíduo em um “estilo” e 3) o fetichismo dos bens culturais.
9/10/2020

Introdução à psicanálise

Season 1, Ep. 5
A psicanálise surgiu como um método de tratamento das neuroses. Suas primeiras categorias surgiram da prática clínica, não de meras elucubrações teóricas de gabinete. Uma leitura parcial de Freud, principalmente quando limitada apenas àquelas aplicações sociais das descobertas da psicanálise (como "O mal-estar na civilização" ou "O futuro de uma ilusão", por exemplo), pode nos dar uma imagem equivocada do conjunto da obra.Nosso curso de introdução à filosofia, com certificado de conclusão ao final: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Com o passar do tempo, a psicanálise se transformou em um método geral de investigação dos fenômenos psíquicos, e daí sua utilidade para compreender eventos que se manifestam também em pessoas normais, e não apenas nos neuróticos, tais como os chistes, os atos falhos e os sonhos. Abarcando praticamente toda produção humana espiritual, ela também serviu para analisar a arte, a literatura e a religião, e suas descobertas tiveram impacto profundo em áreas como filosofia e sociologia.Um dos casos mais importantes para o surgimento da psicanálise foi o de Bertha Pappenheim, que aparece na literatura psicanalítica com o nome fictício de Anna O.. A jovem de 21 anos sofria de diversos distúrbios corporais graves, tais como paralisia de membros do corpo, cegueira temporária e até mesmo esquecimento de quase todos os idiomas que falava (com exceção do inglês).Durante o tratamento realizado por Freud e Josef Breuer, experimentações com a hipnose sugeriam a existência de memórias patogênicas que causavam os sintomas. No mesmo período, outros testes com a hipnose eram realizados também por nomes como Charcot e Bernheim, reforçando as primeiras teses esboçadas por Freud e Breuer no tratamento de Anna.Como a hipnose apresentava resultados apenas temporários e o próprio Freud se considerava um péssimo hipnotizador, este método foi abandonado. As experiências de Bernheim mostravam que era possível recuperar conteúdos inconscientes mesmo fora do estado hipnótico, fato que Freud passou a comprovar em sua clínica.A partir daí surgiram algumas das primeiras categorias psicanalíticas, tais como a de resistência (Widerstand) e recalcamento (Verdrängung), e o papel da sexualidade foi se tornando cada vez mais evidenteNossas redes sociais e YouTube:https://linktr.ee/filosofiavermelha