Filosofia Vermelha

12/22/2021

Sobre a arte da conversação

Season 2, Ep. 16
Conversar não consiste apenas em falar e ouvir. Conversar é uma arte, uma performance que envolve duas ou mais pessoas. Talvez poderíamos até mesmo dizer que a conversação é um jogo no qual todos ganham, em que não há vencedor e perdedor, mas que possui, como toda disputa, certas regras mais ou menos definidas.Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Ajude a manter este trabalho: https://apoia.se/filosofiavermelhaFoi para tentar salvar a tradicional arte da conversação, que parecia em declínio em sua época, que o enciclopedista francês André Morellet publicou em 1812 "Sobre a conversação", ensaio no qual enumera os onze principais vícios que estragam qualquer conversa. Estes erros são 1) a desatenção; 2) o hábito de interromper e falar vários ao mesmo tempo; 3) o afã exagerado de mostrar espírito; 4) o egoísmo; 5) o despotismo ou o espírito de dominação; 6) o pedantismo; 7) a falta de continuidade na conversação; 8) o espírito de pilhéria; 9) o espírito de disputa; 10) a disputa e 11) a conversação particular em substituição à conversação geral. Vamos falar sobre alguns desses vícios.Ilustração: suposto retrato de Marie Thérèse Rodet Geoffrin, uma das principais figuras do Iluminismo. Ela reunia diversos intelectuais em seu salão e foi uma figura internacionalmente conhecida.
11/21/2021

A interpretação dos sonhos, de Sigmund Freud

Season 2, Ep. 14
Os sonhos são uma construção psíquica, e como tal, são passíveis de interpretação. Sigmund Freud, em sua obra “A interpretação dos sonhos” (1900), se propõe a apresentar provas de que “existe uma técnica psicológica que torna possível interpretar os sonhos, e que, quando esse procedimento é empregado, todo sonho se revela como uma estrutura psíquica que tem um sentido e pode ser inserida num ponto designável nas atividades mentais da vida de vigília”. Veremos então, de forma resumida, em que consiste essa técnica psicanalítica, assim como o processo de formação dos sonhos.Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Ajude a manter este trabalho: https://apoia.se/filosofiavermelhaFreud afirma que todo sonho é a realização de um desejo. Essa afirmação encontra franca verificação em sonhos estimulados principalmente de fontes somáticas, como, por exemplo, um sonho em que o indivíduo se vê bebendo água, quando, na verdade, sua sede é oriunda da vida real. No entanto, a afirmação de Freud vai mais além: ele diz que não apenas esse tipo de sonho é a realização de um desejo, mas sim que todo e qualquer sonho o é. Neste ponto, perguntamos: e quanto àqueles sonhos que nos causam angústia e sofrimento, como sonhos em que somos perseguidos e não conseguimos correr, ou nos quais pessoas que amamos aparecem mortas? Mesmo nesses casos, afirma Freud, o sonho é a realização de um desejo inconsciente.
10/17/2021

Extremismo do meio

Season 2, Ep. 10
O ponto de vista do "equilíbrio" entre os extremos, enquanto princípio de posicionamento político, em nada difere do ponto de vista do "extremismo" do qual se supõe antípoda. Ao postular, de maneira abstrata, o "meio termo" como único ponto de vista razoável e excluindo, de antemão, a possibilidade de que em algum momento concreto a melhor resposta possa estar fora do centro, a teoria do "equilíbrio" torna-se dogmática, fanática e intolerante.Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Ajude a manter este podcast: https://apoia.se/filosofiavermelhaA possibilidade de superação do "extremismo" não se encontra no "equilíbrio", mas na abertura ao contingente e à possibilidade de adotar medidas que possam estar em qualquer frequência do espectro. É apenas a análise concreta da situação concreta que pode decidir.Usamos o termo "extremismo" neste episódio no sentido de fundamentalismo. Segundo o teólogo Leonardo Boff, o fundamentalismo não é exatamente um conteúdo doutrinário, mas uma forma de interpretar e viver a doutrina, e por isso se encontra não apenas na religião, mas também em sistemas econômicos, filosóficos e políticos. O fundamentalismo representa a atitude daquele que confere caráter absoluto ao seu ponto de vista, e neste sentido também o centro político pode ser um extremo.