Share

Filosofia Vermelha

Filosofia, Psicanálise e Política

Podcast de filosofia, política e psicanálise. Produzido na Alemanha por Glauber Ataide, mestre e bacharel em Filosofia. Todos os nossos links: https://linktr.ee/filosofiavermelha
Latest Episode5/2/2022

O anticristo, de Nietzsche

Season 3, Ep. 9
O anticristo, de Friedrich Nietzsche, é uma das obras mais polêmicas e provocativas da história da filosofia. Redigido no verão e outono de 1888, com o filósofo já afetado pela doença que o levaria à morte, o texto teve sua primeira impressão em 1895, com o subtítulo Versuch einer Kritik des Christenthums ("Tentativa de uma crítica do cristianismo").Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Seja um de nossos apoiadores e mantenha este trabalho no ar: https://apoia.se/filosofiavermelhaNossa chave PIX: filosofiavermelha@gmail.comAdquira meu livro: https://www.almarevolucionaria.com/product-page/pr%C3%A9-venda-duvidar-de-tudo-ensaios-sobre-filosofia-e-psican%C3%A1liseO título Der Antichrist é ambíguo, pois o termo "Christ", em alemão, significa tanto "Cristo" quanto "cristão". Num primeiro momento, "Antichrist" evoca a ideia do anticristo do Apocalipse, alcançando o objetivo de Nietzsche de ser tão provocativo quanto possível. Por outro lado, e à luz das passagens 38 e 47 da obra, o título poderia significar apenas "O anticristão".A obra é dividida em aforismos, o que confere um estilo mais livre à escrita ao mesmo tempo em que torna mais difícil sua sistematização, seu agrupamento em temas e seu encadeamento lógico. Esta aparente simplicidade dos aforismos é uma das principais razões de Nietzsche ser um dos filósofos mais acessíveis e lidos nos círculos não especializados em filosofia, mas também um dos mais distorcidos e mal compreendidos.
5/2/2022

O anticristo, de Nietzsche

Season 3, Ep. 9
O anticristo, de Friedrich Nietzsche, é uma das obras mais polêmicas e provocativas da história da filosofia. Redigido no verão e outono de 1888, com o filósofo já afetado pela doença que o levaria à morte, o texto teve sua primeira impressão em 1895, com o subtítulo Versuch einer Kritik des Christenthums ("Tentativa de uma crítica do cristianismo").Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Seja um de nossos apoiadores e mantenha este trabalho no ar: https://apoia.se/filosofiavermelhaNossa chave PIX: filosofiavermelha@gmail.comAdquira meu livro: https://www.almarevolucionaria.com/product-page/pr%C3%A9-venda-duvidar-de-tudo-ensaios-sobre-filosofia-e-psican%C3%A1liseO título Der Antichrist é ambíguo, pois o termo "Christ", em alemão, significa tanto "Cristo" quanto "cristão". Num primeiro momento, "Antichrist" evoca a ideia do anticristo do Apocalipse, alcançando o objetivo de Nietzsche de ser tão provocativo quanto possível. Por outro lado, e à luz das passagens 38 e 47 da obra, o título poderia significar apenas "O anticristão".A obra é dividida em aforismos, o que confere um estilo mais livre à escrita ao mesmo tempo em que torna mais difícil sua sistematização, seu agrupamento em temas e seu encadeamento lógico. Esta aparente simplicidade dos aforismos é uma das principais razões de Nietzsche ser um dos filósofos mais acessíveis e lidos nos círculos não especializados em filosofia, mas também um dos mais distorcidos e mal compreendidos.
4/12/2022

O sentido da vida

Season 3, Ep. 8
Uma das principais questões da filosofia diz respeito ao sentido da vida. Enquanto seres humanos, buscamos encontrar padrões e finalidade em todas as nossas atividades, e este modo de operar de nossa razão faz surgir a pergunta pela finalidade também de nossa própria existência. Sempre que criamos um objeto, por exemplo, o fazemos tendo em vista algum propósito, e por analogia também consideramos que, enquanto artefatos de um criador, ele deve ter nos criado tendo algum plano em mente. Se existe mesmo um Deus, podemos descobrir por que ele nos criou?Faça sua inscrição em nosso curso de introdução à filosofia: https://www.udemy.com/course/introducao-a-filosofia-dos-pre-socraticos-a-sartre/?referralCode=51CAB762A412100AFD38Seja um de nossos apoiadores e mantenha este trabalho no ar: https://apoia.se/filosofiavermelhaNossa chave PIX: filosofiavermelha@gmail.comAdquira meu livro: https://www.almarevolucionaria.com/product-page/pr%C3%A9-venda-duvidar-de-tudo-ensaios-sobre-filosofia-e-psican%C3%A1liseEsta questão é de grande complexidade, pois primeiro deveríamos resolver se Deus existe ou não, e depois deveríamos encontrar um método seguro de descobrir qual a sua intenção ao criar o ser humano. A busca pelo sentido da vida apresenta dificuldades diferentes se nosso ponto de partida for o ateísmo, a visão de mundo naturalista segundo a qual tudo o que existe é pura matéria. Qual seria o sentido da vida se não existe um Deus?Neste episódio nos apoiamos nas reflexões de Kerry Walters (Atheism: a guide for the perplexed), Albert Camus (O mito de Sísifo), Douglas Adams (O guia do mochileiro das galáxias) e no livro bíblico de Eclesiastes.